20ª Romaria ao Caldeirão da Santa Cruz do Deserto acontece neste domingo

O objetivo da romaria é buscar fortalecer a atuação dos movimentos sociais, através da memória do Beato José Lourenço.

Regional

Foto: Patrícia Silva / Diocese de Crato

No próximo domingo, dia 22 de setembro, a partir das 7h30, a diocese de Crato estará realizando a 20ª edição da Romaria das comunidades ao Caldeirão do Beato José Lourenço, que este ano tem como tema “Caldeirão da Santa Cruz e as Políticas Públicas”.

Anualmente, a romaria acontece no Sítio Caldeirão da Santa Cruz do Deserto, em Crato, e reúne diversas caravanas vindas de diversos lugares da diocese. O objetivo é buscar através da memória do Beato José Lourenço, fortalecer a atuação dos movimentos sociais.

O Caldeirão: trabalho, igualdade e religião

O Caldeirão foi uma comunidade liderada pelo Beato José Lourenço, brutalmente reprimida pelas forças militares em 1937, por carregar ideais de uma sociedade mais justa e humanitária. Na comunidade, tudo era de todos e, por essas e outras características, tornou-se exemplo para discutir questões sociais de projetos voltados hoje para a vivência com o semiárido.

A comunidade do Caldeirão de Santa Cruz chegou a ter mais de mil moradores e recebeu vítimas da seca de 1932 que havia se perpetuado no Nordeste. Os romeiros e imigrantes que viviam no Caldeirão, trabalhavam coletivamente e dividiam o lucro. A forma como a comunidade se organizava foi vista como uma ameaça às forças latifundiárias que predominavam no país.

Após a primeira ação de extermínio da história do Exército Brasileiro e da Polícia Militar do Estado do Ceará, através de um grande massacre, centenas de pessoas foram mortas. Até hoje, os corpos não foram encontrados e não existe um documento oficial que registre o acontecimento.

Memórias do Caldeirão nas expressões artísticas e visuais

Os familiares e descendentes das vítimas do massacre nunca souberam onde encontram-se os corpos. No entanto, a memória dos que ficaram – e dos que vieram – é uma voz incessante, que vem à tona pelo testemunho da oralidade.

Prova disso é o produto final da dissertação da agora mestra em Comunicação, Kelsma Gomes. A partir de relatos dos remanescentes do Caldeirão da Santa Cruz, das memórias que o tempo não apagou, foi construído um grafite para ocupar uma das paredes da Universidade Federal do Cariri – UFCA.

À esquerda, Abraão Batista, responsável pela matriz em madeira da xilogravura. À direita, grafite localizado na parede do bloco G da Universidade Federal do Cariri. Fotos: Kelsma Gomes / Elane Abreu – LIMBO UFCA.

Além das vozes dos remanescentes e das mãos de Kelsma, o grafite teve a participação dos integrantes do LIMBO – Laboratório de Imagem e Estéticas Comunicacionais da UFCA, e de artesãos/artistas que fizeram a xilogravura (Abraão Batista) e o grafite (Fabiano Dias, Pacato Dias e Adriano Barros).

O massacre que aconteceu naquela época é negado politicamente até hoje. Foi um dos objetivos da pesquisa de Kelsma não permitir que se apague a memória dessa história, ocupando espaços públicos de visibilidade.

Programação da Romaria 2019

A programação contará com um momento de acolhida às 7h30, seguido da celebração da Santa Missa, às 8h.

Share this Story
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Joedson Kelvin
Carregar Mais Em Regional

Veja Também

Com decisão do STF, Lula pode ser solto em breve

Nesta sexta-feira (8), os advogados de Lula devem enviar pedido de soltura imediata à Justiça Federal do Paraná.