ADACHO elege nova diretoria para o próximo triênio

A Associação de Defesa, Apoio e Cidadania dos Homossexuais do Crato – ADACHO, elegeu via assembleia a nova diretoria da entidade o jovem Carlos Eduardo como presidente.

Regional

A Associação de Defesa, Apoio e Cidadania dos Homossexuais do Crato – ADACHO, elegeu via assembleia a nova diretoria da entidade. A eleição foi na última sexta-feira, 29, e o escolhido como novo presidente foi o jovem Carlos Eduardo.

O objetivo da Adacho, é lutar por mais liberdade de ação e expressão e fortalecer a classe nos princípios da amizade, união, respeito e solidariedade humana. A entidade denuncia que ainda há na região muito preconceito contra as pessoas da comunidade LGBTQI.

Além de Carlos Eduardo, foram eleitos da diretoria da entidade: Gilney Matos, Alan Nelo, Carlinhos Araújo e Rondinele Furtado

Criminalização da LGBTfobia

Em 13 de junho, o Supremo Tribunal Federal (STF), que a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero passe a ser considerada um crime.

Dez dos onze ministros reconheceram haver uma demora inconstitucional do Legislativo em tratar do tema. Apenas Marco Aurélio Mello discordou.

Diante desta omissão, por 8 votos a 3, os ministros determinaram que a conduta passe a ser punida pela Lei de Racismo (7716/89), que hoje prevê crimes de discriminação ou preconceito por “raça, cor, etnia, religião e procedência nacional”.

Votaram assim Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Celso de Mello, Edson Fachin, Gilmar Mendes, Luís Barroso, Luiz Fux e Rosa Weber. Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio disseram isso criaria um novo tipo de crime, o que cabe exclusivamente ao Congresso.

O racismo é um crime inafiançável e imprescritível segundo o texto constitucional e pode ser punido com um a cinco anos de prisão e, em alguns casos, multa.

Share this Story
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Erika Souza
Carregar Mais Em Regional

Veja Também

Seminário discute Fluxo de água no Rio Granjeiro em Crato

Obras na Bacia do Araripe são apresentadas como solução possíveis para sanar os desastres do Canal do Rio Granjeiro