Cúpula do G7 aceita ajudar o Brasil e países afetados por incêndio na Amazônia.

Em reunião no último domingo (25), em Biarritz, a Cúpula do G7 concordou em ajudar o Brasil e todos os países afetados pelos incêndios na Amazônia. Durante o encontro das sete grandes economias do mundo, o Presidente da França, Emmanuel Macron, ficou isolado no boicote ao Mercosul, enquanto Alemanha, Reino Unido e Espanha querem manter …

Política

Em reunião no último domingo (25), em Biarritz, a Cúpula do G7 concordou em ajudar o Brasil e todos os países afetados pelos incêndios na Amazônia. Durante o encontro das sete grandes economias do mundo, o Presidente da França, Emmanuel Macron, ficou isolado no boicote ao Mercosul, enquanto Alemanha, Reino Unido e Espanha querem manter acordo.

Presidente da França, Emmanuel Macron ao lado de Donald Trump, durante reunião do G7, na cidade de Biarritz.

Na semana passada, Macron disse que o acordo entre o Mercosul – grupo do qual o Brasil faz parte – e a União Europeia poderia chegar ao fim, por conta dos incêndios que afetaram a Amazônia. No entanto, os demais países que formam o G7 decidiram optar por “um mínimo denominador comum” e evitar um confronto com Bolsonaro.

Dentre as discussões acerca das medidas a serem tomadas em relação às queimadas na Amazônia, Macron assegurou que, “respeitando a soberania, nós devemos ter um objetivo de reflorestamento.”

Minoria na ideia de romper os acordos entre Mercosul e UE, o presidente francês impôs a questão do meio ambiente e da urgência climática no centro dos debates em Biarritz.

A decisão de aceitar ou não a ajuda do G7, depende exclusivamente de uma posição política e coerente de Jair Bolsonaro. Uma vez que o presidente brasileiro afirmou em pronunciamento na última sexta-feira (23), ter comprometimento com a Amazônia e elogiar o Código Florestal, apesar de ter tentado mudar legislação.

Share this Story
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Joedson Kelvin
Carregar Mais Em Política

Veja Também

Chuvas no Cariri amenizam calor neste início de semana

Os últimos meses foram marcados por muito calor na região, com as precipitações, apesar do pouco volume registrado, o clima ficou mais ameno.