Divergências causam demissão de Marcos Cintra, secretário da Receita

O motivo da demissão se deve a insatisfação de Guedes pela rejeição à proposta de reforma tributária, que inclui a criação do tributo semelhante à CPMF.

Economia

Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

Divergências sobre “nova CPMF’ foi o motivo da demissão do secretário da Receita, Marcos Cintra, ligado ao Ministro Paulo Guedes

Paulo Guedes, ministro da economia demitiu hoje, (11/09), o seu secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra. Cintra era o nome forte da reforma tributária elaborada pela governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) .

O motivo da demissão de Cintra deve-se a insatisfação de Guedes pela rejeição à proposta de reforma tributária, que inclui a criação do tributo semelhante à CPMF, tributo que teve sua cobrança suspensa pelo Congresso em 2007. O debate sobre o imposto foi retomado pela última vez em 2015, no auge da crise econômica do país. A recepção do Congresso as alíquotas de 0,2% e 0,4%, propostas pelo secretário, foi vista de forma negativa.

Defesa ao imposto

Paulo Cintra é Professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), e ferrenho defensor do imposto único e da criação de um Imposto sobre Transações Financeiras (ITF), semelhante a antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). O Ministro Paulo Guedes já informou em atividades anteriores que o secretário a não teria condições de ser o negociador da reforma tributária em nome do governo caso não viabilizasse a criação do novo imposto.

Exoneração

Em nota, o Ministério da Economia explicou o “pedido de exoneração” do secretário especial da Receita Federal. “Ainda que não haja um projeto de reforma tributária finalizado, a equipe econômica trabalha na formulação de um novo regime tributário para corrigir distorções, simplificar normas, reduzir custos, aliviar a carga tributária sobre as famílias e desonerar a folha de pagamento”, destaca o texto.

O comunicado emenda: “A proposta somente será divulgada depois do aval do ministro Paulo Guedes e do presidente da República, Jair Bolsonaro. O ministro Paulo Guedes agradece ao secretário Marcos Cintra pelos serviços prestados”.

Imposto

A proposta do Ministério da Economia prevê a incidência do novo imposto sobre transações feitas pelo sistema financeiro, quitadas por meio de cheque, cartão de débito ou de crédito. A estimativa é de que a cobrança geraria R$ 150 bilhões por ano.

A intenção é de que saques e depósitos em dinheiro sejam taxados com alíquota inicial de 0,4%. Já para pagamentos no débito e no crédito, a alíquota inicial estudada é de 0,2% (para pagador e recebedor).

Vítima da CPMF

Para o Economista, ex-presidente do BNDES e do IBGE Paulo Rabello, Cintra foi a primeira vítima da CPMF, em seu twitter ele fez declaração sobre o caso:

Na Câmara

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vê dificuldades na aprovação da nova CPMF no Congresso. “Não acho que seja uma coisa simples e no Brasil de hoje é muito difícil passar”, afirmou o democrata.

O relator da reforma tributária na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), descartou qualquer possibilidade de incluir o imposto. “Não existe ambiente”, destacou.

Share this Story
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Erika Souza
Carregar Mais Em Economia

Veja Também

Franquia internacional, inaugura filial em Juazeiro do Norte

Presente em mais de 130 países, Pizza Hut chega ao Juazeiro e gera expectativa do público caririense