Jogadores brasileiros deixam campo chorando após ato de racismo na Ucrânia

Dentinho descreveu o ato como o pior dia da sua vida.

Esporte

Foto: Reprodução

Durante o clássico do Dínamo de Kiev contra Shakhtar Donetsk, neste domindo (10), pelo o Campeonato Ucraniano, os jogadores brasileiros Taison e Dentinho, que atuam Shakhtar, sofreram ataques racista pela torcida adversária. Quando os brasileiros pegavam na bola, os torcedores do Dínamo faziam sons imitando macacos, os dois deixaram o gramado chorando.

No segundo tempo, Taison foi expulso do campo por responder aos insultos racistas, quando mostrou o dedo chutou a bola em direção da torcida do Dínamo. Após o lance, o juiz paralisou o jogo, os times saíram de campo e Dentinho e Taison começaram a chorar.

Veja:

Os jogadores foram amparados pelos companheiros, o time do Dínamo se direcionou para arquibancada e pediu que a torcida parasse com o ato de racismo. O jogo retornou logo após e o Shakhtar venceu o jogo por 1 a 0.

Repercussão

Além do Corinthians, ex-clube de Dentinho, o Internacional, ex-clube de Taison também se solidarizou com os atletas no seu perfil oficial do Twitter.

Também no Twitter, o Shakhtar declarou apoio a seus atletas, além de reiterar o combate à discriminação:

 “O FC Shakhtar se opõe categoricamente a qualquer manifestação de racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância relacionada. Não pode haver justificativa para aqueles que insultam com base em cores, crenças religiosas ou políticas. Esse comportamento é inaceitável nos países civilizados e nos campeonatos de futebol. A UEFA aplica as sanções mais rigorosas a clubes e associações cujos torcedores demonstram racismo nas partidas”. Escreveu o clube no seu perfil.

O FC Shakhtar é uma grande família de jogadores de futebol, para quem esses incidentes humilhantes trazem dor e decepção. Condenamos esse comportamento do público, sempre apoiaremos e protegeremos nossos jogadores. Pedimos às autoridades do futebol, aos clubes que parem o racismo nos estádios”, publicou o Shakhtar Donetsk.

Taison postou uma foto no seu Instagram e escreveu que o choro ao deixar o gramado foi de indignação e de repúdio.

Leia o texto de Taison.

Ver essa foto no Instagram

“ Amo minha raça, luto pela cor, o que quer que eu faça é por nós, por amor… “ Jamais irei me calar diante de um ato tão desumano e desprezível ! Minhas lágrimas foram de indignação, de repúdio e de impotência, impotência por não poder fazer nada naquele momento ! Mas somos ensinados desde muito cedo a sermos fortes e a lutar ! Lutar pelos nossos direitos e por igualdade ! O meu papel é lutar , bater no peito , erguer a cabeça e seguir lutando sempre ! ✊🏿 Em uma sociedade racista, não basta não ser racista, precisamos ser antirracista ! O futebol precisa de mais respeito, o mundo precisa de mais respeito ! Obrigada a todos pelas mensagens de apoio ! Seguimos a luta …✊🏿 Net rasizmu

Uma publicação compartilhada por Taison Barcellos Freda (@taisonfreda7) em

Dentinho, que até então não tinha comentado sobre as ofensas, na manhã desta segunda-feira (11), publicou uma foto no seu Instagram acompanhada de um desabafo sobre os insultos O jogador descreveu o ato como o pior dia da sua vida.

Leia:

Ver essa foto no Instagram

Eu não queria comentar sobre o que aconteceu ontem, mas acho que não posso me calar diante de algo tão grave. Eu estava fazendo uma das coisas que mais amo na minha vida, que é jogar futebol e, infelizmente, acabou sendo o pior dia da minha vida. Durante o jogo, por três vezes, a torcida adversária fez sons que lembravam macacos, sendo duas vezes direcionadas a mim. Essas cenas não saem da minha cabeça. Não consegui dormir e já chorei muito. Sabe o que eu senti naquele momento? Revolta, tristeza e nojo de saber que ainda existem pessoas tão preconceituosas nos dias de hoje. Agradeço a todos pelas mensagens de apoio e manifestações de carinho. ⚽❤ #noracism #nãoaopreconceito

Uma publicação compartilhada por Dentinho ⚽🇧🇷 (@mlkdentinho) em

O Dínamo postou uma foto no Twitter dos jogadores em direção a torcida com a frase “futebol não é lugar para racismo”.

Share this Story
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Rayssa Leonel
Carregar Mais Em Esporte

Veja Também

MP-SP investiga como homicídios mortes em baile em Paraisópolis

A MP se referiu as mortes como homicídio, mas não responsabilizou a PM.