Novembro Azul e os cuidados com a saúde masculina

50% das pessoas do sexo masculino só vão a consultas médicas quando algum sintoma atrapalha muito sua rotina.

Saúde

Foto reprodução

A campanha do novembro azul acontece este mês com o objetivo é fazer a conscientização da saúde do homem. A campanha começou com uma abordagem centrada no câncer de próstata, ela também foi ampliada para chamar a atenção sobre os cuidados com a saúde masculina em todos os aspectos.

De acordo com a pesquisa realizada pelo Centro de Referência em Saúde do Homem mostrando que 50% das pessoas do sexo masculino só vão a consultas médicas quando algum sintoma atrapalha muito sua rotina.

“Culturalmente os homens tendem a procurar o médico com menos frequência, principalmente no que diz respeito aos cuidados com a pele”, disse a dermatologista Renata Gonçalves.

Sendo menos cuidadosos com o uso do filtro solar e que os homens se expõem com mais frequência ao sol”, como afirma Renata, esta ainda destaca “devemos fazer regularmente a inspeção da pele para diagnosticar precocemente lesões pré-malignas”.


Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), apontam o câncer de pele não-melanoma como sendo o mais comum entre os homens. Ele corresponde a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país.

Em seguida vem o câncer de próstata. Apesar dele apresentar altos percentuais de cura, se não for detectado precocemente pode deixar mutilações bastante expressivas.

“Quando cuidamos da saúde evitamos danos maiores, como doenças em estágios que não possam ser mais revertidos. Os exames periódicos são essenciais para manter um cronograma de prevenção”, alerta a dermatologista.

Share this Story
  • Saúde

    Novembro Azul e os cuidados com a saúde masculina

    50% das pessoas do sexo masculino só vão a consultas médicas quando algum sintoma atrapalha muito sua rotina.
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Rayssa Leonel
Carregar Mais Em Saúde

Veja Também

MP-SP investiga como homicídios mortes em baile em Paraisópolis

A MP se referiu as mortes como homicídio, mas não responsabilizou a PM.