Universidade que aderir o future-se terá que contratar professores sem concurso público, propõe MEC

O ministro, Abraham Weintraub, fala sobre a exigência do governo para universidade que aderir o programa Future-se

Notícias

Foto reprodução

Em entrevista para o jornal do Estado de São Paulo o ministro da educação, Abraham Weintraub, fala sobre a exigência do governo para universidades que aderirem o programa Future-se e uma dessas exigências é que ocorra a contratação de professores e técnicos pelo regime CLT (de carteira assinada).

Atualmente, eles passam por concurso público e têm direito à estabilidade. Sendo a contratação via CLT uma regra para universidades entrarem no programa Future-se. Segundo a pasta, boa parte dos novos investimentos no ensino superior federal será passado pelo programa.

Future-se

A adesão ao programa é facultativa e novos contratos de docentes e técnicos serão mediados por Organizações Sociais (OSs), entidades privadas que não necessitam seguir a Leis de Licitação e concursos.

Em entrevista para o Estado de São Paulo, o ministro, afirmou que a estabilidade seria garantida aos funcionários contratados neste regime. Porém, em decisão do Supremo Tribunal Federal, em 2018, afirma que empregados de empresas públicas e sociedades de economia mista regidos pela CLT não fazem jus à estabilidade prevista na Constituição.

No novo modelo das federais, ainda não detalhado, o objetivo é o servidor público ter sua permanência atrelada ao seu desempenho.

O intuito da proposta é que haja a transição aos poucos ao regime CLT, o ministro relata que as novas vagas (seriam) CLT, como é na Ebserh (autarquia do MEC que gere hospitais universitários federais) e acrescenta dizendo que “a pessoa vai ter estabilidade, vai ter tudo. O objetivo não é ser uma universidade privada, é pública. Na Ebserh, você não tem uma rotatividade tão grande”.

As vagas por CLT não seriam priorizadas, seriam a norma.  O ministro destaca que as faculdades e universidades que aderirem ao Future-se vão ter de passar a contratar via CLT e “não mais via concurso público, um funcionário público com regime jurídico único”.

O Foopost procurou o professor Dr. Tiago Coutinho para falar sobre esta proposta do governo que está inclusa no pacote do projeto Future-se. Sendo este professor do curso de jornalismo da Universidade Federal do Cariri (UFCA) e também secretário geral da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Ceará (ADUFC).

Ocorrendo a fase de disputa para a votação do projeto este afirma que “o governo federal está apresentando essa proposta e todo movimento da educação e muitas universidades já rejeitaram essa proposta, não tendo nenhuma força dentro das universidades brasileiras”. Tiago ainda relata que essa proposta visa basicamente terceirizar o serviço prestado nas universidades públicas.

Share this Story
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Iara Meneses
Carregar Mais Em Notícias

Veja Também

Médicos da UPA pedem demissão por falta de pagamento

A cidade já teve o fechamento de 31 postos de saúde e do hospital público, restando a UPA para atender uma população com cerca de 300 mil habitantes.